23 novembro 2007

Por toda a eternidade

Por toda a eternidade



Em um simples raio de sol
eu vejo toda a sua pureza
e até mesmo uma bela flor
não se compara a tua beleza

Desde de vales a campos
tua beleza não representa o fim
corro e busco por tua fragância
em meu reservado e luxuoso jardim

Sem nem mesmo entender
eu perco a noção da razão
E só me encontro seguro
no calor do seu abraço

Que aquece e me faz delirar...
fecho os meus olhos
e te vejo,te sinto
aonde o meu corpo não consegue te tocar

Me aprofundo em teu olhar
sem compreender
o porque do mundo parar
quando estou com você

E me vejo no reflexo de tua alma
no meu recanto, onde paira a eternidade
no meu campo secreto onde brota o jasmim
dos sonhos mais secretos que lhe mostrei

É como se eu voasse por entre as nuvens
ao reflexo do teu rosto
e por toda a eternidade
como um raio de sol, te encontrar

Assim sinto...
as horas,os minutos, as décadas
sorrirem e tocarem o meu rosto
imortalizando assim o meu desejo...

de me aprofundar eternamente em você...



Magno Pinheiro e Douglas Marques

4 comentários:

Chris disse...

:-O tô boba!

Juliane disse...

Nossa vcs superaram o outro poema!!! Ta lindoooo!!! Gostei da forma sutil como escreveram!
Beijos!!

Douglas Marques disse...

Cara este poema ficou muito massa!!!!
Nós realmente , arrasamos...

Dinhão disse...

Simples e sutil essa é a receita!



bom texto brothers!!!


abraço!