21 junho 2007

Reflexo do Nada

Reflexo do Nada


Três sóis rasgaram o horizonte
criando um conto de amarga discórdia,
revelando o que um dia não se poderia revelar...
Em um olhar, em um cristal sem brilho,
em uma rocha sem vida, em um reflexo do nada...

Intemperança, fruto de um erro sem fim...
Como ousou tocar a íris que buscava
a mais pura das visões ?
Terreno sereno, onde a alma pode se manifestar sem medo
da opressão que o corpo a condenou

Como ousou ?

Seja eternamente amaldiçoado, por ter roubado
a luz de meus olhos...

Seja eternamente amaldiçoado, por ter roubado
a chama que ardia em minha existência...
Seja eternamente amaldiçoado, por ter roubado
de mim um tesouro na qual sustentei o meu céu...

Seja eternamente amaldiçoado,
eternamente,
pois agora sou
cria de minhas palavras
...
um eterno

amaldiçoado




Magno Pinheiro

5 comentários:

Verfox disse...

da hora a sua poesia
diferente da minha q tem bastante rimas
mais a sua tem mais sentimento
flws!

Dinhão. disse...

Gostei mano!
fudido!!!

parabens!

Catharina disse...

maldiiiiiito...

o.o parece dragon ball essa ae

*comentario sem sentido*

Chris disse...

Mistura de sentimentos...momento de reflexão!Bjo!

Juliane disse...

Esse sim parece que vc colocou seus sentimentos mesmo!
Fiquei até com medo!rsrsrs...
Beijoos!