07 janeiro 2011

Rouxinol

Rouxinol


Tal qual belo canto
Se espalha pelo noturno ar
Canto vindo do teu corpo
Rouxinol da cor de pele

Que encanta os ouvidos
Que emparelhados buscam a fonte
De tamanha riqueza e detalhes
Boca que aveluda o honroso prazer

De escutar bela voz, proclamando
Aos céus tamanha sintonia
Que emerge de teus lábios
Que afugentam a distonia errante

Que antes pairava no rude mundo
E que agora se faz mais belo
Ao tom angelical vindo de tua voz
Sopro do divino ser em forma de mulher

Que delicamente desceu dos céus
E tocou o meu corpo, como em uma busca,
A busca pelo ninho, o caminho certo
De onde te peço para não partir.

E agora te peço..

Venha, venha para mais perto, sussure tuas notas
Em meu ouvido e me hipnotize bem de perto
Transborde o desejo revigorante do seu alento
E me preencha com o afago q
ue reside em teus lábios.

Meu Rouxinol


Magno Pinheiro

Um comentário:

Chris disse...

Imaginei o som emitido pelo rouxinol...!poema q aguçou alguns dos sentidos!mto bem!