29 janeiro 2009

Sopre a noite

Sopre a noite


No momento que vai,

No momento que vem,
Te jurei palavras

Pro tempo fazer,
Pro tempo passar,
Eterno zelo ao viver

Infinito finito
Que dura no passar das horas
Nas horas, contigo me perder

E me achar, no raiar
De um sol que vem vindo
Iluminar o que na noite

Os nossos corpos vieram
A iluminar, duas estrelas
A beira do mar, a beira do mar

Cantiga que marca,
Repete e ecoa,
Voa na mente, veleja no mar

Feliz por dizer,
Palavra no peito
Que não quero deixar de falar

Então vem, aliviar
O que na pele queima
Sopre palavras contra o meu corpo

Acalme o que não quer se acalmar,
Te procurar no viver, calor
Abrasador e vivo, sopre

Sopre a noite de perto pra longe
e o dia de longe, de longe
Pra perto de mim...


Magno Pinheiro

Um comentário:

Fafa disse...

Falar sobre a noite...
um bom tema para se escrever um poema! ;)

Gostei ^^, parabens!!

xD

=*